Pular para o conteúdo principal

Pescadores artesanais tentam garantir a inclusão dos profissionais da pesca no Projeto de Renda Básica de Cidadania Emergencial que será votado hoje (01/04)

Pescadores temem que o Projeto do Auxílio emergencial aprovado na segunda-feira não contemple por completo a categoria

A votação de hoje (01/04) no Senado, do Projeto de Lei 873/2020, do Senador Randolfe Rodrigues

(Rede-AP), que trata da Renda Básica de Cidadania Emergencial e garante até R$ 1.500 para famílias de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus, é a nova aposta entre os pescadores e pescadoras artesanais para garantir que os profissionais da pesca recebam, de maneira assegurada, o pagamento do benefício durante o momento em que estão parados por conta do Coronavírus.

Na segunda-feira (30/03), apesar de comemorarem a aprovação do Projeto de Lei do Auxílio Emergencial (PL  9236/17), que trata do benefício a pessoas de baixa renda impedidas de trabalhar por conta do Coronavírus, os movimentos pesqueiros ficaram preocupados com o alcance do auxílio.  Segundo a proposta aprovada, para ter acesso ao benefício, o informal tem que cumprir os critérios de baixa renda, não pode receber benefícios previdenciários e nem participar de programas de transferência de renda, com exceção do Bolsa Família.

Ocorre que, por lei, os pescadores têm direito a receber o seguro-defeso, um benefício equivalente ao seguro-desemprego pago em períodos de reprodução de determinadas espécies. Por não estar escrito expressamente na lei aprovada como seriam tratados os segurados especiais, isso poderia significar um empecilho para contemplar os pescadores artesanais no recebimento do auxílio. Os pescadores que estivessem recebendo o seguro-defeso teriam a renda do seguro, que já é pago pelo governo, garantida. Mas o que aconteceria com os profissionais que estivessem sem receber o seguro? Eles seriam excluídos de receber o auxílio aprovado pelo PL do Auxílio Emergencial?

Por existirem essas dúvidas, desde a semana passada, quando o texto foi aprovado na Câmara dos Deputados, os movimentos pesqueiros em conjunto com pesquisadores, ativistas e apoiadores das comunidades pesqueiras, iniciaram uma força-tarefa para garantir que pescadores e pescadoras artesanais pudessem ser beneficiados pelo PL  9236/17. O Projeto de Lei aguardava votação do Senado, quando foi elaborado um documento que obteve mais de 300 assinaturas, e que serviu de base para iniciar uma série de incidências políticas entre os senadores, para assim assegurar que o pagamento por três meses, do valor de R$ 600,00, estivesse garantido aos profissionais da pesca. 

A mobilização sensibilizou os congressistas, mas por uma decisão estratégica que priorizava a aprovação rápida do projeto, não foi feita nenhuma emenda ao PL do auxílio emergencial, já que os trâmites do Congresso obrigariam a volta do projeto para a Câmara dos Deputados. Os senadores ficaram então de incluírem emendas específicas às categorias dos pescadores artesanais e outros grupos vulneráveis, como taxistas, agricultores familiares e catadores, no Projeto da Renda Básica de Cidadania Emergencial, que será votado hoje (01/04) no Senado.

“A proposta de incorporar as emendas ao projeto que tramita no Senado para a votação de hoje, na quarta-feira, podem ser incluídas ou não. Sabemos que depois disso ainda vai para o Bolsonaro. Temos que aguardar e pressionar!”, analisa o pescador e liderança do Movimento dos Pescadores e Pescadoras artesanais do Rio Grande do Sul, Nilmar Conceição, que aponta a via judicial como uma possível alternativa, caso as emendas não sejam aprovadas.  “Isso (ajuda emergencial) nada mais é que o direito do contribuinte, de todos nós pescadores e do povo brasileiro”, finaliza. 

Histórico de negações e pesca parada
O histórico recente de empecilhos criados pelo Estado brasileiro no pagamento de benefícios aos pescadores artesanais pode ter sido o principal motivo para a preocupação entre os profissionais da pesca, que constantemente são impedidos de acessarem os benefícios do INSS, mas não é o único. Os crimes ambientais ocorridos em Mariana, Brumadinho e mais recentemente, o derramamento de óleo nas praias do litoral do nordeste e sudeste do Brasil, aumentaram a vulnerabilidade e o clima de insegurança entre os pescadores, que temem serem ainda mais  punidos pela negligência do Estado, nesse momento em que se dá o agravamento da pandemia.

“A situação da pesca, hoje, no Brasil, está inteira parada. Os que estão trabalhando não conseguem vender. Não tem para quem vender. Alguns que estão conseguindo trabalhar na pesca estão vendendo por um preço mínimo. Menos da metade do preço”, revela Nilmar.

Foi pensando nessa situação, que movimentos pesqueiros, pesquisadores e grupos de apoio reunidos no Grupo Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras, se mobilizaram para a redação do documento “Reivindicações da Pesca Artesanal do Brasil Frente À Pandemia Do Coronavírus”.  O texto divulgado na segunda-feira (01/04) relata o recente contexto socioeconômico enfrentado pelas comunidades pesqueiras, que pode ser ainda mais agravado pela pandemia do Coronavírus. O documento também apresenta as dez reivindicações dos movimentos pesqueiros, frente à pandemia do Coronavírus. 

Entre as  reivindicações apontadas pelo documento estão: acesso de todos os pescadores e pescadoras à renda básica, apoio dos poderes públicos ao isolamento e fechamento das comunidades pesqueiras para visitantes externos que não sejam imprescindíveis para o abastecimento de alimentos e a atenção à saúde da comunidade; compra da Produção Pesqueira Artesanal via programas governamentais, entre outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pescando em outras águas | Colônia Z-4 se despede de seu Romildo

Texto por Lígia Apel A Colônia de Pescadores Z-4, de Olinda, Pernambuco, está de luto. Dia 23, sexta feira passada, faleceu  Senhor Romildo na festa do padroeiro dos pescadores, São Pedro. Foto: álbum de família. seu presidente Romildo Ferreira de Holanda, vítima da Covid 19. O pesar é grande entre seus familiares e amigos que o tinham como uma das mais importantes lideranças dos pescadores e pescadoras artesanais do território pesqueiro onde se localizam as comunidades Amaro Branco, Ilha de Maruim, Jardim Atlântica e Rio Doce, nas imediações da ponte Limoeira e Ponta do Janga, entre Recife e Olinda. “Essa responsabilidade é comigo, agora. Vou ver  se junto os pescadores e dou conta da continuação da luta dos pescadores daqui de Olinda”, disse o vice-presidente da Colônia, Nilson Monteiro da Silva, lembrando da perda de sua mãe e irmão. “É muita dor para uma pessoa só, mas nós vamos pedir primeiramente a Deus sabedoria, força, coragem, pra gente se unir um com o outro, tanto os pescado

Observatório lança Nota em repúdio à resolução 500/2020 do Conama

Movimentos e organizações de pescadores e pescadoras artesanais, pesquisadores e ativistas acabam de lançar nota  de repúdio  à resolução 500/2020 do Conama. 448  organizações, no total, assinam a nota. No documento divulgado hoje (01/10),  as organizações alertam para o impacto que a medida pode ter sobre os manguezais, afetando diretamente no meio ambiente, na reprodução das espécies marinhas e no aceleramento das mudanças climáticas. Outra preocupação apontada na nota é que a resolução 500/2020 aumente o risco de conflitos nos territórios pesqueiros, ameaçando assim a vida e a permanência dos pescadores e pescadoras artesanais  nos seus territórios.  Confira a nota na íntegra logo abaixo ou acesse o documento por  aqui ! --------------------------------------------------------------------------- NOTA DE REPÚDIO À RESOLUÇÃO CONAMA nº 500/2020 DO 28 DE SETEMBRO DE 2020 EM DEFESA DA PESCA ARTESANAL E SUAS COMUNIDADES Nós, pescadoras e pescadores artesanais, povos e

Iniciativa que reúne pescadores, pesquisadores e ativistas, monitora os impactos da Covid-19 nas comunidades pesqueiras

O observatório também funciona como plataforma política de reivindicações e de formação Publicado originalmente no site do CPP Nacional | Por Assessoria de Comunicação do CPP Uma iniciativa que reúne pescadores e pescadoras artesanais, pesquisadores e ativistas de quase todas as regiões do Brasil têm tentado monitorar e coletar dados do avanço do Coronavírus nas comunidades pesqueiras desde o mês de março. O “Grupo Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras” têm coletado informações enviadas pelos próprios pescadores artesanais, que repassam de maneira remota, através de grupos de Whatsapp, ou através do preenchimento de um formulário online , os dados de como a epidemia tem avançado por suas comunidades e como os tem impactado. Os informes são agrupados e divulgados diariamente ao fim do dia no Boletim Diário , mas também servem de base para o boletim epidemiológico das comunidades pesqueiras, que é divulgado semanalmente.  Além de informaçõe