Pular para o conteúdo principal

Parados pelo coronavírus, pescadores artesanais temem não receber auxílio do governo

Categoria tem especificidades, como o seguro-defeso, que podem travar o acesso ao benefício emergencial para informais

Por Erick Gimenes
Publicado no Brasil de Fato | Brasília (DF) | 01 de Abril de 2020 às 12:23

Parados pela pandemia do coronavírus, pescadoras e pescadores artesanais não sabem se terão acesso
aos R$ 600 do auxílio emergencial para trabalhadores informais, aprovado pelo Senado na segunda-feira (30). Embora a maioria se enquadre nos critérios de renda, a categoria tem particularidades que podem travar o recebimento do dinheiro.

Segundo a proposta aprovada, para ter acesso ao benefício, o informal tem que cumprir os critérios de baixa renda, não pode receber benefícios previdenciários e nem participar de programas de transferência de renda, com exceção do Bolsa Família.

Ocorre que, por lei, os artesanais têm direito a receber o seguro-defeso, um benefício equivalente ao seguro-desemprego pago em períodos de reprodução de determinadas espécies. Isso os impediria de constar entre os contemplados do auxílio aprovado.

“Os requisitos que tratam desse auxílio não tratam diretamente do segurado especial. Fala dos trabalhadores informais, mas ninguém ficou preocupado se os pescadores estariam ou não contemplados”, comenta Ormezita Barbosa, secretária-executiva do Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP).

Conforme ela, além das restrições de saúde por causa do coronavírus, os pescadores não têm ido pescar porque não conseguem vender os produtos. “A pesca artesanal é praticada muito coletivamente, é uma atividade que envolve muita gente. Como tem a recomendação de ficar em casa e evitar aglomeração, a turma não está indo pescar. Há uma semana, o pessoal estava indo pescar, mas estava tendo dificuldade na comercialização, porque alguns lugares – feiras e mercados – estão fechados", aponta.

O pescador Carlos Alberto dos Santos, líder da Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas Costeiras e Marinhas, afirma que muitos trabalhadores da pesca ainda aguardam o pagamento dos defesos. Ou seja: neste momento, não podem trabalhar, não têm o dinheiro do seguro e provavelmente não poderão acessar o auxílio emergencial.

“A nossa briga, nesse auxílio emergencial, é para que todos os pescadores recebam. Tenham ou não RGP, a carteira de pescador. Que não se discrimine. O governo coloca como recorte lá que, se estiver recebendo seguro-desemprego, não tem direito de receber o auxílio emergencial. Então ótimo. Então pague os defesos”, defende.

Santos reforça que, mais do que garantir a renda, os pescados são também almoço e janta de muitas famílias. “Nós não temos estoque de peixe dentro de casa para poder vender. É responsabilidade do Estado brasileiro garantir agora o sustento das nossas famílias, afinal de contas nós somos produtores de alimentos. Neste país, nós produzimos entre 60% e 70% do pescado que vai para a mesa do brasileiro”, diz o pescador.

Ele sugere que o governo compre os produtos dos pescadores para ajudá-los. "Seria importante que o governo comprasse a mercadoria que está parada dos pescadores. Comprasse e doasse. É mercadoria saudável, produto de qualidade. Comprasse nosso pescado, nosso marisco e doasse para as famílias carentes, que precisam de alimento neste momento", diz

Documento ao Senado

A incerteza sobre a inclusão da categoria entre os beneficiários motivou movimentos sociais e organizações que reúnem pescadores e pescadoras artesanais a lançarem um documento, na segunda-feira (30), para solicitar ao Senado a elegibilidade de categoria para o auxílio.

Os movimentos pedem que todos os pescadores e pescadoras sejam contemplados, mesmo que não tenham o Registro Geral da Pesca (RGP). Também querem que o benefício seja aplicado a segurados especiais e a quem está com o pedido de defeso “em análise” pelo INSS.

Edição: Leandro Melito

Comentários

  1. Aqui em soure marajo Pará não tem nem auxílio do governo ou políticas publicas que auxiliem os pescadores artesanais profissionais e estamos a ver navios passando muitas veses fomes com nossas famílias

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pescando em outras águas | Colônia Z-4 se despede de seu Romildo

Texto por Lígia Apel A Colônia de Pescadores Z-4, de Olinda, Pernambuco, está de luto. Dia 23, sexta feira passada, faleceu  Senhor Romildo na festa do padroeiro dos pescadores, São Pedro. Foto: álbum de família. seu presidente Romildo Ferreira de Holanda, vítima da Covid 19. O pesar é grande entre seus familiares e amigos que o tinham como uma das mais importantes lideranças dos pescadores e pescadoras artesanais do território pesqueiro onde se localizam as comunidades Amaro Branco, Ilha de Maruim, Jardim Atlântica e Rio Doce, nas imediações da ponte Limoeira e Ponta do Janga, entre Recife e Olinda. “Essa responsabilidade é comigo, agora. Vou ver  se junto os pescadores e dou conta da continuação da luta dos pescadores daqui de Olinda”, disse o vice-presidente da Colônia, Nilson Monteiro da Silva, lembrando da perda de sua mãe e irmão. “É muita dor para uma pessoa só, mas nós vamos pedir primeiramente a Deus sabedoria, força, coragem, pra gente se unir um com o outro, tanto os pescado

Observatório lança Nota em repúdio à resolução 500/2020 do Conama

Movimentos e organizações de pescadores e pescadoras artesanais, pesquisadores e ativistas acabam de lançar nota  de repúdio  à resolução 500/2020 do Conama. 448  organizações, no total, assinam a nota. No documento divulgado hoje (01/10),  as organizações alertam para o impacto que a medida pode ter sobre os manguezais, afetando diretamente no meio ambiente, na reprodução das espécies marinhas e no aceleramento das mudanças climáticas. Outra preocupação apontada na nota é que a resolução 500/2020 aumente o risco de conflitos nos territórios pesqueiros, ameaçando assim a vida e a permanência dos pescadores e pescadoras artesanais  nos seus territórios.  Confira a nota na íntegra logo abaixo ou acesse o documento por  aqui ! --------------------------------------------------------------------------- NOTA DE REPÚDIO À RESOLUÇÃO CONAMA nº 500/2020 DO 28 DE SETEMBRO DE 2020 EM DEFESA DA PESCA ARTESANAL E SUAS COMUNIDADES Nós, pescadoras e pescadores artesanais, povos e

Iniciativa que reúne pescadores, pesquisadores e ativistas, monitora os impactos da Covid-19 nas comunidades pesqueiras

O observatório também funciona como plataforma política de reivindicações e de formação Publicado originalmente no site do CPP Nacional | Por Assessoria de Comunicação do CPP Uma iniciativa que reúne pescadores e pescadoras artesanais, pesquisadores e ativistas de quase todas as regiões do Brasil têm tentado monitorar e coletar dados do avanço do Coronavírus nas comunidades pesqueiras desde o mês de março. O “Grupo Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras” têm coletado informações enviadas pelos próprios pescadores artesanais, que repassam de maneira remota, através de grupos de Whatsapp, ou através do preenchimento de um formulário online , os dados de como a epidemia tem avançado por suas comunidades e como os tem impactado. Os informes são agrupados e divulgados diariamente ao fim do dia no Boletim Diário , mas também servem de base para o boletim epidemiológico das comunidades pesqueiras, que é divulgado semanalmente.  Além de informaçõe